domingo, 9 de outubro de 2011

Sonhava estar sonhando, acordado.

Alinhava-me
sem o fio
permanecia
endireitado aos opostos.

Norteava-me,
ao saltos e nós.
entre outras:
direções, aspirava outro momento.

O monumento humano,
descontentar-se ao ver:
É noite.
Castigava-me ao deitar,
sem sono. Instantes... em
que sentira a queda
e segurava-me. Por susto,
sussurro: devo estar sonhando.

Voando baixo,
tropicava na cama, cabeceira.
toda vez que calava-se em noite.
Desnorteava-me
Detinha o direito: Todos os palavrões destinado a cada Filho da mãe.

desvia-me ao som,
preparei-me à beber.
dançava e bebia.
fumava e levantava.
Cansava e tropicava novamente. xingava.
Rindo cada vez mais.
Os espelhos me tornam engraçado: no franzir da testa.

Irritar com os móveis,
ou a atração,
faz com que esqueça que preciso dormir.
Quando deitei,
era rotatória. Ora eu me vira no espelho, ora sentia não ter forças.
Engravitei-me e deixei me ao chão.

Observam-me, em vãos.
o da porta quase reconheci, sentia medo.
na mesa as crianças cantavam canção de ninar. Quem são?
as outras vozes ousei procurar,
notava minha imagem ecoando.

Não fazia parte,
Ouvia risadas e meu reflexo ria.
Contornei-me a esconder a visão.
Sucumbi.


Acordei ainda bêbado.
Com alguns raios claros.
desviei das garrafas tropeçando,
na confusão.

Ouvi um tanto de risada,
mas era só lembranças,
atordoava-me
distinguir da realidade.







Um comentário: