sexta-feira, 28 de outubro de 2011

3° parte - Consequência das portas.

Os casos vinham,
passavam por descaso
e ainda acreditei depois no acaso.

Mas era pura intenção,
questão de vaidade,
Lisandra falava desconstruindo
o amor, sendo a caridade de nosso Deus.

O mesmo que provou a inexistência,
insisti deixar-me a deriva,
saberia de todas as possibilidades
diante dos meus olhos,

estava, por somando todas as dúvidas,
o disco era novo,
coloquei por curiosidade,
quando gostava de Lisandra,
era a distancia dos meus acontecimentos
os que via, e poderia esquecer.

Comum, dentro da condenação ...
prevista, à alienação...

Nenhum comentário:

Postar um comentário