sábado, 10 de março de 2012

Por onde

Onde estive,
quando repetia-se dentro do "Eterno Retorno"?
soube de todas as vielas, erguia-se contra a volta
que se faz de mola,

Concretizei todos os retornos, ousando
tentar muda-lo.
até que se tome de consciência,
uma que permite-se ser ilusão...

Não nos tornamos sábios, 
ou tornamos até onde podemos,
tornamos

Aos restos com escombros, até os cestos
de cores.

por agora escupi o que ouvi do ecoo,
de minhas passadas, em volta da praça.

Nenhum comentário:

Postar um comentário