sexta-feira, 10 de agosto de 2012

Vôou aquele pássaro que ressabiava quando (você) sorria
com as novidades extra oficiais;
Pairava:
modelando o fundo, com
Som de um mundo
que inventamos...
Envolveu-me com teus braços e os laços que dava às palavras: convencendo-me das virtudes do poeta.


Fiz recado para todos os versos, era medo do avesso, o que desconhecia, tranformava-se em viscoso... modelei com movimentos de despretenção à nova condensação.

De atenção
a ação
sem compreensão
pois... não há!!!
Já houve compromisso com a condenação?

Deixei que letras escapassem entre os dedos,
e os olhos analistas corroiam-me com as coêncidencia .


Eu não cheguei a dizer que poderiamos estar em transe?

Trançamos ideais que meu ser afoito, revigora ao lembrar-se... Ouvi gangorras, escorei ao escorregar, marquei os passos e todos os cantos;
Marcava  espasmos.

Eternizava o que dividia
minha divida,
por ouvir e tentar negar a mesma árvore... das ternuras desejadas e prometidas.

Perda de fala,
compressa de folhas que caiam no quintal.    Os pássaros sincronizavam-se com o ar gelado e iluminado. Buscou todas que pousassem:
O alpiste
foram regorgitado

         Em volta da nova substância,
que mudara, na verdade o seu estado...
os novos pássaros
Cantam números
que têem ventado.
Vendaval trouxe-me
o valor da suposição,
Então arrisquei pedir emprestados
tuas asas.



... você ainda reproduz aquele assobio, e refaz os arranjos do pássaro
Com música e alpistes para alimentar um viveiro, por milhares de anos...

Imagino-te caminhando
com os olhos vedados
vivendo a plenitude da cegueira de ser o jardim, cantarolando composições
de marca-pássaros. sincronizando o ar gelado e iluminado
com o pulsar 
redescoberto.

Livre dos olhos 
posso fecha-los
e ainda enxergar
Com audição e imagens de uma toupeira
Acabo trombando as frequência
com a imagin-ação. 

Advinhas o fruto da árvore,
pelo som
confirmas o tom, com o paladar
Pálacios
aventurado
pelas visões que as estátuas fitam...
                                                              ... Estátuas
                                                 com razões que só um olhar
                                                       do mesmo ângulo
                                                              munidas reflexôes.... escolhi o melhor gesto
                                                                      e sentei-me ao lado
                                                 com os olhos fechados podia,
                                                           vê-la recolher as mãos
                                                 sem tira-las dos olhos .... acompanhando a cabeça com a altura.
                                                             desenhei seu movimento em cerâmica.


Harmonia entre hormonios
mordomo das estações.
harmonicos:
vozes que reconheceria
d'entre todas as outras
que ensurdecem-me. 

Grita atavés de ondas 
respostas para a confusão dos mares.


poderia esquecer junta da onda que leva as letras que foram cravadas na areia.
Alto mar
Levou todo o real 
Confundiu o que eu eternizava 
com grãos que levaria à profundezas;

Da rapidez que levou-me 
trouxe-me de volta
à calma que ria e soprava
o próprio som.


Um comentário:

  1. muitcho loko, harmonia de hormonio só na clínica de internar poeta

    ResponderExcluir