quinta-feira, 9 de agosto de 2012

... (que teu ínfimo)

que o teu ínfimo,
seu estilo perante os vicios
os pensamentos reproduzidos
em sequência, frequência curiosa
Vistosa, aparente tudo que posso espelhar à vista
   d'outros olhos...

O homem depois de ler o que escrevia
fez vista grosa 
pois parecia seu próprio cobaia

Estudavas os movimentos
que aprendia desprender
já possuia todos

estimulo é visão e querer
querer é somar fé e ação
planos e sonhos
dons e tons

Eloquencia para com a alegria .

A prendia Real-Mente Ser.


              Calma alma que tua chance
                vem com a luta
               e que teu sangue de toda força para sorrir...
               Calma alma
              que teu poema
             veste-se dos meus lemas
             corra alma calma
                viva sob a alma da calma.



Ali ao canto da alma
a nova ordem fora dada:
calma foragida deveria ser reinventada.

ouve-se o canto
encanto esfarrapado
silêncio silábico
intuitivo
toda frase soaria fase
amargava o amâgo, a ânsia de guerra e paz.

O peito, caixa acustica 
espelia tua sorte com a tosse. 





Nenhum comentário:

Postar um comentário