terça-feira, 8 de novembro de 2011

Totalidade do Estado.

O pleno está concreto e aceito
a lei que superou Deus
está também acima do Homem...
Aceitável, já que sempre fora assim.

Perdoar, é algo humano?
pensar, é algo humano?
Sorrir, é humano ou conspirar?
agredir, é enfronta com o que?
E errar?

O existir perante estes
não se torna pleno,
até quando decorrera ao próprio engano
lúdico, irreal, impuro mas natural.
a plenitude estaria também
fundindo ética e moral?

Sendo moralista é possível ser ético?
como pensar em humano se existe o tabu? seriamos esse?
um erro?
ou de repente pessimismo e sem querer enérgico?

Os reis eram teólogos,
agora são formados por leis tão terráquea quanto a outra.
estavam, estamos fundido: politica e religião, a hipocrisia para um bem.
o sentir ficou químico, intuição superstição,
e o humano seria ainda a imagem semelhança?

a imagem que sofre reflexo
é só a percepção, e por entre os valores deixamos de perceber a evolução do estado humano,
em qualquer disposição a entender.

Discutimos assuntos de drogas com quais dogmas?
e o aborto? e a desigualdade? o desinteresse?
o que convém a nós?


Nenhum comentário:

Postar um comentário