quinta-feira, 10 de novembro de 2011

Momento importuno

Ouviriam dos palavrórios
uma voz, definitiva e certa.
alcançava-me como se eu pudesse nomear...
e limitar-se ao entendimento de um momento.

Escrupuloso, mas precipitado.
o cuidado destilava o entendimento,
só por ser um momento.
não importa já que o palavrório era ofensivo
atacava sem destruir
provocava
armava um ato, entregava-se....
eu conhecer tal eco
Faz-me relembra instantes que não reconhecia-me,

o que iria sugerir era reprovar
mas iria contra o que estava sendo
mas por que estava sendo?
Vivia de memórias e sugestões.
Contava um instante aqui,
relembrando o que parecia marca-me
mas dentro todos os instantes era este quem parecia mover-me...
só uma impressão de movimento já que as sequelas me fazem esquece-las.

o fato determinante era a insatisfação...
provocada em qualquer Eco ou mesmo sono.
Era acordar e estar sendo refém de um corpo irreconhecível
era o embalo do circulo que as vezes tentava buscar apoio em alguns fanatismo para disfarçar a queda livre,
o disfarce morria dentro do próprio vazio que suplica o despreenchimento.
já que isto soa resultado do Eco.
a ascendência distraia-me o ato para irreversivelmente chegar às aspirações da noite.

Trazia-me vida, sentida e doída, outras vezes sem gosto,
mas era um estar e relembraria, mesmo que em um semblante
a experiência apontava uma expansão, um circulo que evoluí,expande.

Nenhum comentário:

Postar um comentário