quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

Anistiava lembranças

não compreenderia
   
seria apenas
transmutação

imperfeição, com pro va ria

a perfeição: ineexistia!

Beleza,     do inexistente

servia

ao ser

que és  quand o  deixará de  ser

regeu     todas            as cores

em teu                 erro    era              o v ir  a ser

            o erro era       a morte      do         c ami nho.

s o ltas                     tornavam                          o                 invisel
          a marelo                                        ou            azul.

perto de mim corria
                         
sem                                des conhecer             os                            calcanhares alagadados

                             




Nenhum comentário:

Postar um comentário