quinta-feira, 15 de setembro de 2011

Pra quem percebeu

Quem não soube.
Que sempre coube em ideias
Inerentes a uma conquista,
Inexplicável.

Inesperado.
Passei a olhar e esquecer.
Do mesmo confuso.
Que esqueço.
Travando, e voltando.

Um tempo curto
De estado aprendiz,
Sinto-me agradecido
Sem o suposto merecido.

Estou para o mundo
A responsabilidade
Do resumo
Em sumo estado profundo: Revolução...

E em planos diferentes
Vamos armando,
Amarrando,
Amando para uma mudança.

Educar, sempre foi a esperança.
Daqueles que como aliança
Sente a inocência de ser sonhador.

Corruptos de valores,
Convido-os para uma luta
Contra o distraído
Em lista de espera.

Pela arte,
Com a vida
De carência de dívida.
Pela parte,
Que ensinar
Implica amar.

Com egoísmo pelo coletivo.
Esta razão que encontrei, em vocês, por todos nós.
Uma linha à cada um:
Implico sua musica
Em inexplicado acaso de se entender
Suspiro amor por traços desenhados
E os outros da casa que me trazem identidade, amigos que chegam e partem. irmãos.

Por aqui outro adeus,
Correspondido
Insistindo a volta
De quem percebeu.

4 comentários: