segunda-feira, 7 de outubro de 2013

Presente


Aos dias em que não morri
estava sendo so-mente-ego.

afluindo sob o 
caos vivo

eu não sou, eu morri!!

a sombra da escuridão
o todo em parte
os ventos do vácuo... Silencio.

em vida

Com os dentes em facas

tom aprendido...

sobra do ébrio
da espécie,
para dançar 
a melodia

parte deste bando
alinhava as asas
o azul e amarelo caiam dos céus 
despencando sobre as cabeças.

Eu não sou
pois me matei
eu não sou
me transformo

                    sou                                                    não eu
 este presente, e depois aquele;

ainda assim sei que estou

deixando as penas
sobre o sol
refletindo;
os feches eram
matéria do instante
presente em 
um rio 
sobrevoado em um sopro.

...........................................

Um comentário: