quinta-feira, 24 de outubro de 2013

O silêncio em caos no in-tanto

Canto dos cantos
ouço vozes das vozes

No entanto
um grito movia
pele e sobrancelha
língua e dentes
e as vozes uniam respostas

encanto dos cantos
alinhavam tormentos
em parafraseado
sem parágrafos
destilando prazeres mórbidos

ali permanecia
sedenta
sem calma


expondo o contrário
a alma se defendia:
os olhos serenos,
gestos leves.

redemoinhos de vozes
Sombras das dores,
algemas de fogo
 no entanto tornaram
cânticos das vísceras





Um comentário: