quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

Gato noturno



Esse zunido novamente,
                                               o vento
Secou-me. Identifiquei cada acaso.
                                                 Que levava
Busquei qualquer plano, sem ser
Alimento para a calma
                                                 E o encher da lua

Que espera
               
A madrugada

Cair
  


Por falta de mim,
Recompus à outra volta. Escolheria qualquer personagem


Sem saída,
Para o sono

Esmiuçando, em qualquer forma,
Rendia-me a qualquer sussurro
Ou grito desavisado...
                                                               Invertia-se por cores                                                    
                                                               Com a lua em prata

Não houve sentido
Correr por de baixo,
A ponte estava entre a volta
E a fuga.
                                                               Detendo-se do lado oposto
Perseguia os passos
A rapidez necessária
Em meu desfile entre os quarteirões
Era para ocupar minha raiva, em ser odiado.
                                                                              A noite vazia deixou-me só o gato
Ódio não poderia ser...
Comprometem-se tanto em latir.
Por saborear os latidos para minha atenção
Em três saltos permaneci
De frente às casas com os cães mais bravos.
Até que amanhecesse. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário