quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

Daqui

Poupou-me de acompanha-la em  suas passeatas
virou ao avesso, sem carregar suas feitiçaria
conformou-se com a ausência

Tropecei em um daqueles saltos
que quase sem altitude
com a correnteza arrastando-me para o tubo da onda...
mergulhei antes que pudesse
recuperar o fôlego.

Daqui enquanto deixo secar-me,
bato palmas
ao espetáculo...


ondas, sondas, todas
sem fim, ao que vem
envolta de som
que volta e permanece.

com os olhos entre abertos
explica-me toda beleza em fúria...
toda ausência e saudade.
esconde-me em pistas,
recém imaginadas
da própria sombra emoldada na areia.



3 comentários:

  1. Praias frequentemente me remetem à nostalgia.

    Belas passagens.

    ResponderExcluir
  2. Adriana Alves(hotmail)2 de março de 2012 23:02

    O mar... e o desejo de abraçar o mundo!

    ResponderExcluir