domingo, 28 de julho de 2013

Compactuava os rostos de um espirito

Moldei sombras através do fogo
encarnou-me todo o invisível,
todos os sonhos malditos e fantásticos.
                               
                                    E talvez se tivesse outra parte do todo,
                                                             não saberia de sua existência.


                                                                        Você atingiu o auge - ouvia ecoar do guru.

 Insanamente 
as luzes rufavam
a vista relampejando 
arpeava a terra com o ar.

ser a sombra do fogo,
deixou-me sentir alguns rostos na porta do banheiro do bar.

Contive o todo por instantes,
Almas caiam
Todas em um só espirito.

A gravidade compilava as ondas que flutuavam
entrando em colapso com o tempo

A alma ve-e-mente rumos aos sentidos

escorava-se nas paredes,
                              depois no chão,
           juntou-se aos peixes e ouriços.
Andou sobre as paredes,
                                               debatendo cabeças

                  e ombros em pendulo.

                                                A porta trancada por dentro, isolava.

A alma entregue à redes, via-se com o infinito,  sequenciando memórias esquecidas, ria de todos os rostos que eram seus!

                                                                        O auge você atingiu - Reecoava

Rastejava sobre estrelas (no teto)
Tateava os semblantes da eternidade

O tempo em dissonância
O passado e o futuro confundia o presente.
-
E todos existiam em Uníssono

                                                            o auge atingiu você -  reecoava o eco.


o lugar d'onde não racionalizava
Fez-se feto novamente
sobre a poça

os astros anunciava para o sorriso afogado

 os rostos malditos são próprios do seu espirito,
assim como os benévolo.

com os olhos arrastando sobre o áspero
compactuava o horizonte e o sangue.




Ouviste ouvires:
ouriços carregam estrelas de ouro dentro dos olhos.

Ouvira de outros planos
onde os gurus
não existiam. E nem desperdiçariam mais conselhos, com o que chegaste ao auge.







Nenhum comentário:

Postar um comentário