terça-feira, 31 de janeiro de 2012

Ventar

Ouviram falar de mentiras,
mas fora em parte, capaz.
sem sentido ou só capricho,
exatidão em enganar com o fluir que a felicidade permite.

eram mentiras ou insistência?
sem rosas sobre pedras
nem pedras virgens.
Era vento!

que bom era somar a uma desilusão,
sem precisão com o todo...
mas era real.

este, (escolha qual...)
sempre serviu a realidade...
o impacto da diferença
resolvia-se com vaidade

sempre tentei mastigar o vento,
queria impor sua direção
mas ventava, sem que eu soubesse abrir a boca.

disto, bem, sem nome, lembranças eternizada até que se esqueça.
era o improviso, em pré ensaio.




Nenhum comentário:

Postar um comentário