terça-feira, 26 de fevereiro de 2013

Mosaico

O céu é Finito

As nuvens são tracejadas,
rachaduras sem melodia

A paisagem: o altar dos pensares.

As estrelas
Criam os mosaicos

Lagartos

escapam dos papeis

E o Divino:

O clarão amortece
anunciando o saciamento
da morte
que reapropria-se dos derivados

As lascas das arvores
anunciam tom

O branco é corrupto
fundi o ser ao mutualismo: os lagartos voltam aos traços do grafite.


II-
As cores da gaveta
o fundo empoeirado
instiga-me a qualquer
ato tornaria-me um idiota, ou antiquado

a posição sob a luz trouxe tal efeito...
Mas o gesto ao inóspito
à grandeza do esmiuçado
o tatear da areia com a pele

comprimiam com o ar, alucinações da realidade.

poderia Ser o I DI OT A.

Ao menos Sinto-me
enquanto estou
sendo-o.

Sobre a poeira
dos natais passados e futuros.
Já que ninguém limparia a gaveta.
o som era o da concha.
que transportava o mar
à consciência.

Sentou-se com a cara contra a parede.

- o que há pra dizer?
o que nego ao ser dito?
Se digo, se sinto, se sou.
o que há para dizer?

com os olhos cerrados,
sempre há imagens, cores, ideias.

E um imenso ecoo do vazio.


Um comentário:

  1. "Gosto do ceu porque não creio que elle seja infinito.

    Que pode ter comigo o que não começa nem acaba

    Não creio no infinito , não creio na eternidade.

    Creio que o espaço começa numa parte e numa parte acaba .

    E agora e antes d' isso ha absolutamente nada .

    Creio que o tempo tem um princípio e tem um fim.

    E que antes e depois d'isso não havia tempo .

    Porque ha de ser isto falso ? Falso é fallar de infinitos

    Como se soubessemos o que são de os podermos entender .

    Não : tudo é uma quantidade de cousas .

    Tudo : é definido , tudo é limitado , tudo é cousas ."


    *Poema inédito e sem título de Alberto Caeiro , transcrito por Jerónimo Pizarro

    ResponderExcluir