domingo, 9 de setembro de 2012

Jogo de luzes...

Re-partem.

Todos os feixes
só poderiam ser guiados
por oposições...

não o contrário, pois não surprenderiam com
posições que oposto pode ser um mínimo
de percepção...

diferenças, questões que duvidaria se não compreende-se.


o que existe é para não suportar
ou fazer-se suporte:

até ver que é reflexo,
que o perceber
é estar entregue ao todo.

fosse de um raio
ou para um zitano
sempre ouvia a cegueira do engano.
Ditando.

Era parte dos
planos
acidentais
e inseguramente sonhado todas as noites...
Ora com Harmonias, e vezes, progressões que o desespero solfeja petulante, infínito
até que acorde



II-
ou viveram
para um vivero
ouvira:
Saia da vila.

Riram

e todos riram...inclusive o distraído.

III- Outro caso
de sonânbulismo
assustando
os que madrugavam.

4 comentários:

  1. poesia de primeira classe, brincou tão bem com as palavras que a mente sorriu, a música e o jogo do v, distraído verbo progrediu

    ResponderExcluir
  2. Cada vez melhor no trocadilho com as palavras e seus sentidos.
    Gostei do texto!

    ResponderExcluir